Sobre nós

A Enfoke Palestras Preventivas surge com um novo conceito no segmento de palestras de saúde nas empresas, construção civil, faculdades, escolas, igrejas, ou seja em qualquer ...

Atendimento

(11) 2774 - 7855

Agende sua palestra pelo WhatsApp ou nos ligue

© 2017 - Enfoke Palestras Preventivas

HPV - Você está informado ?

December 30, 2017

 

O HPV, Papilomavírus Humano, é a doença sexualmente transmissível mais comum no mundo, com 6 milhões de infectados anualmente. É um vírus universal, que não tem preferência por gênero, idade, raça. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), são mais de 630 milhões de homens e mulheres infectados por esse vírus no mundo.

 

Em algum momento da vida, todos os indivíduos terão contato com o vírus, mas nem todos desenvolvem câncer. No Brasil ocorrem cerca de 20 mil casos e 4 mil mortes anualmente. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o HPV está presente em mais de 90% dos casos de câncer. Destes, o mais frequente é o do colo uterino, correspondente a 10% dos casos da doença em mulheres no mundo e o segundo tumor mais comum no público feminino, depois do câncer de mama. Nos homens, o HPV é o principal motivo de câncer no pênis.

 

São cerca de 500 mil casos de câncer do colo uterino no mundo, causando anualmente 270 mil mortes, ou seja, uma a cada minuto. Isso acontece porque, após o início da atividade sexual, a possibilidade de contato com o HPV aumenta progressivamente: 25% das adolescentes apresentam infecção pelo vírus durante o primeiro ano após iniciação sexual. Três anos depois, esse percentual sobe para 70%.

 

O HPV, vírus que ainda não é conhecido por toda a população, é a DST mais comum atualmente e atinge 11,6% de jovens virgens, segundo estudo publicado no Archives of Pediatrics & Adolescent Medicine. Segundo pesquisa publicada no The Journal of Infectious Diseases, de 387 jovens contaminadas entre 14 e 17 anos, 22 eram virgens.

 

Um estudo brasileiro realizado pela médica Renata Mirian Nunes Eleutério em sua dissertação de mestrado em 2010, Prevalência de Papilomavírus humano em adolescentes virgens e com atividade sexual, que teve como objetivo principal pesquisar a prevalência de DNA-HPV entre adolescentes sem vida sexual ativa e comparar com adolescentes com atividade sexual. – Neste estudo foi observado que a infecção pelo HPV pode ocorrer em meninas que mantêm contato genital com os namorados, mesmo preservando a virgindade, pois o contato genital é uma via de transmissão em pacientes virgens 

 

Verrugas são focos de contágio

 

O HPV pode ser transmitido por relação sexual ou pelo contato com sangue ou feridas.

Verrugas devem ser investigadas, principalmente nos homens. Devido à ausência de sintomas, a doença raramente é diagnosticada. Nas mulheres, o vírus pode ser rastreado através do exame preventivo. O homem contaminado pode ser um transmissor e ter exames com resultado falso negativo. Assim, deve ser avaliado de maneira mais ampla – uma das soluções é verificar se a parceira é portadora do vírus.

 

Atenção com cera depilatória, lâminas e alicates de unha

 

De acordo com recente pesquisa francesa, a depilação passou a ser meio de transmissão de doenças como o HPV. A pesquisa, publicada no periódico Sexually Transmitted Infections, explica que a cera aumenta o risco de inflamações e contaminação, pois deixam a pele mais sensível. Nesse caso, a contaminação do vírus se daria através das células da pele, podendo ser contraído mesmo em indivíduos que nunca tiveram relação sexual. Lâminas são outro possível meio não só de infecção, mas também de disseminar o vírus naqueles que já são portadores, e sugere cortar os pelos com tesoura, evitando ceras e lâminas depilatórias.

 

Tratamento

 

 

O HPV tem cura. É preciso tomar medicamentos continuamente por aproximadamente dois anos para garantir a eliminação do vírus do organismo. Caso contrário, ele permanecerá inativo e, quando o sistema imunológico baixar, ele voltará a aparecer.

Cada caso deve ser tratado individualmente e ter o tratamento ideal programado. Como o resultado depende da imunidade de cada um, o consumo de chás de ervas medicinais ou vitamina C não evitam o vírus, mas podem ajudar a melhorar a imunidade.

Mesmo existindo cura, a prevenção é fundamental, com o uso de preservativos em todas as relações. 

 

Vacina

 

A vacina está disponível em postos de saúde para os meninos de 12 a 13 anos desde o início do ano. Meninas de 9 a 13 anos já são imunizadas na rede pública desde 2014 e agora foram incluídas na campanha as adolescentes de 14 anos. As duas doses devem ser ministradas com um intervalo de 6 meses entre elas. O Ministério da Saúde disponibiliza a vacina HPV 6, 11, 16, 18 .

 

98% é o percentual de eficácia da vacina contra os HPVs tipos 6, 11, 16 e 18 nos estudos de Fase II e III com 25 mil mulheres em diversos países, inclusive no Brasil.Mais de 200 milhões de doses aplicadas em homens e mulheres demonstraram que a vacina tem um bom perfil de segurança. As reações são pouco frequentes e o quadro costuma ser leve: dor, vermelhidão e edemas próximos ao local da injeção, dor de cabeça e febre. Todas as possíveis reações severas notificadas até hoje foram investigadas e a relação com a vacina foi descartada.“É importante destacar que as vacinas passam por rigorosos estudos que envolvem milhares de pessoas, de diferentes partes do mundo. Além disso, quando chegam ao mercado — a exemplo de todos os medicamentos — o imunobiológico é monitorado para verificar se ele aumentou a incidência de alguma doença

 

Onde se vacinar

 

Nas Unidades Básicas de Saúde (UBS): Meninas de 9 a 14 anos, meninos de 11 a 14 anos, pessoas com HIV/Aids, bem como pacientes oncológicos e transplantados de 9 a 26 anos podem receber a vacina gratuitamente.

 

Homens e mulheres com mais de 15 anos também podem se proteger.

Para este grupo, as vacinas estão disponíveis em clínicas privadas de vacinação:

• HPV4 (contra quatro tipos de HPV): licenciada para meninas e mulheres de 9 a 45 anos de idade e meninos e homens de 9 a 26 anos.

• HPV2 (contra dois tipos de HPV): licenciada para meninas e mulheres a partir dos 9 anos de idade.

A vacinação de homens e mulheres fora da faixa etária de licenciamento das vacinas fica a critério médico.10

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Síndrome de burnout - o que é ?

June 4, 2019

1/3
Please reload

Posts Recentes

February 21, 2020